A Bíblia e a ciência moderna




A Bíblia e a ciência moderna.

Certo dia na Universidade, enquanto assistia a uma aula de fundamentos da Geografia um professor fez a seguinte afirmação sobre o relato Bíblico da Criação:

“- O texto Bíblico deve ser interpretado como um mito. São textos alegóricos e não textos que dão conta de uma verdade. É absurdo alguém em nossos dias ainda crer que tudo que existe foi criado em apenas seis dias”.

Essa afirmação do professor se baseia em uma aparente contradição entre o relato bíblico da criação e as recentes descobertas da ciência. Analisando as gerações descritas na Bíblia alguns de forma equivocada chegam à conclusão de que toda a criação de Deus levou cerca de seis mil anos para ser concluída. Hoje no meio cientifico é aceito que o universo tem uma idade aproximada de 15 bilhões de anos e que a Terra possui aproximadamente 4,5 bilhões de anos. Existe uma ideia errada acerca da relação entre essas duas abordagens. Muitos acreditam que Ciência moderna nega as verdades Bíblicas. Esse erro decorre de falhas na interpretação das Escrituras. A Bíblia foi escrita em Hebraico, Aramaico e Grego. O grande problema é que pessoas sem o conhecimento dessas línguas originais tentam interpretar a Bíblia de forma literal. Segundo as regras gerais da Hermenêutica, qualquer texto deve ser interpretado dentro de um contexto para sua melhor compreensão.

Em primeiro lugar devemos compreender que quando a Bíblia relata que toda a Criação levou seis dias, isso não significa seis dias literais. Para aqueles familiarizados com a Teoria da Relatividade de Albert Einstein, é mais fácil compreender que o tempo não é uma grandeza absoluta. Ele depende do referencial que se toma para definir dias, horas, minutos, etc. Algumas pessoas acreditam que esse tipo de interpretação do livro de Gênesis, nada mais é do que uma tentativa de adequar a Bíblia as recentes descobertas da Ciência, e dessa forma evitar que a Escritura seja considerada uma fábula, porém não é isso que vemos de acordo com a história e com o que a Bíblia declara. Milhares de anos antes da descoberta da Relatividade do tempo a própria Palavra de Deus já declarava em Salmos 90:4:

“- De fato, mil anos para ti são como o dia de ontem que passou, como as horas da noite.”

Em 2 Pedro 3:8 também lemos:

-… Não ignoreis uma coisa, que um dia para o Senhor é como mil anos, e mil anos como um dia.”

De acordo com os textos acima um dia para Deus é como mil anos e mil anos como um dia. Isso porque Deus é um ser atemporal, ou seja, Ele não está limitado ao nosso tempo cronológico, mas sendo um Deus eterno, está no presente, no passado e no futuro. No momento inicial da Criação de Deus quem era a única pessoal existente? Ele mesmo. Sendo assim se Deus era o único referencial no momento da Criação o uso dos termos dias em Gênesis podem indicar milhares de anos ou eras. É óbvio que em seis dias não seria possível o surgimento do universo e da vida na Terra. Quem acredita que o texto de Gênesis deve ser interpretado de forma literal, comete grande erro, visto as inúmeras evidências geológicas e físicas de que o universo possui aproximadamente 15 bilhões de anos.

O relato dos primeiros capítulos do livro de Gênesis, se interpretados de forma coerente nos mostram que existe plena harmonia entre o relato Bíblico da Criação e as recentes descobertas da Ciência. Vejamos os primeiros relatos de Gênesis e se estes estão alinhados como as recentes descobertas da ciência:

“- No princípio criou Deus os céus e a terra”. Gn.1:1

Comentário: A Bíblia diz que houve um princípio de tudo. Muitos anos atrás cientistas respeitados como Albert Einstein consideravam absurda a ideia de que o universo tinha um princípio. Para esses cientistas o universo era eterno. Porém descobertas recentes da Física e Astrofísica comprovaram por meio do Efeito Doppler da luz que o universo teve um princípio.

“- E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo;
e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.” Gn.1:2

Comentário: Sem forma e vazia, mostra que no estágio inicial, a Terra era apenas uma grande massa de rochas magmáticas e minerais sem uma organização. Quando a Bíblia fala que havia trevas sobre a face do abismo, se refere a uma descoberta da Física moderna que é a energia escura, que nada mais é do que uma forma de energia que estaria distribuída por todo espaço e tende a acelerar a expansão do universo.

“- E disse Deus: Haja luz; e houve luz. E viu Deus que era boa a luz;
e fez Deus separação entre a luz e as trevas.”Gn.1:2-3

Comentário: A Ciência hoje mostra que através da fusão nuclear do hidrogênio, há a separação entre energia escura e a luz visível, e foi essa radiação inicial que permitiu a expansão do universo e a continuidade da Criação. Vemos também que a sequência da Criação, com a criação da água, fundamental ao surgimento da vida, e a criação das plantas e posteriormente a criação dos animais e do homem é totalmente coerente com os indícios encontrados em vários ramos da ciência como Geologia, Biologia, Arqueologia, etc.

É obvio que a Bíblia não é um livro científico, todavia existem várias referencias Bíblicas que revelaram grandes verdades, milhares de anos antes de a Ciência atestar tais fatos. Poderia citar uma longa lista de verdades, porém citarei três que acredito serem suficientes para que o caro leitor possa compreender que a Palavra de Deus não é um mito, como alguns acreditam:

A Bíblia e a posição da Terra no Universo

Em um tempo antigo se acreditava que a Terra estava situada sobre um deus chamado Atlas (1.500 a.C.). Porém a Bíblia faz a impressionante afirmação:

“- O norte estende sobre o vazio; e suspende a terra sobre o nada.” (Jó 26:7).

A ciência só descobriu que a Terra era sustentada sobre o nada em 1650.

A Bíblia revela que a Terra é redonda

As Escrituras nos dizem que a Terra é redonda:

“Ele é o que está assentado sobre o círculo da terra” (Isaías 40:22).

A palavra traduzida como “círculo” aqui é a palavra em hebraico chuwg, que também pode ser traduzida como “circuito” ou “bússola” (dependendo do contexto). Ou seja, ela indica algo esférico, arredondado ou arqueado – não algo que é plano ou quadrado. O livro de Isaías foi escrito aproximadamente entre 740 e 680 anos A.C. São pelo menos 300 anos antes de Aristóteles sugerir, em seu livro sobre os céus, que a Terra talvez fosse uma esfera.

A Bíblia e a ciência da Oceanografia

Mathew Maury (1806 – 1873) é considerado o pai da oceanografia também chamada de oceanologia. Ele percebeu a expressão “veredas dos mares” em Salmos 8:8 (escrito 2.800 anos antes) e disse, “Se Deus disse que há veredas no mar, eu vou encontrá-las”. Maury então acreditou literalmente no que Deus disse e foi procurar essas veredas, e nós devemos muito a sua descoberta das correntes marítimas.

Conclusão: Não há contradição entre as verdades científicas e a Bíblia. O grande erro de pessoas leigas no assunto é a tentativa de se fazer uma interpretação simplista das Escrituras com base em fundamentos incoerentes. Existe um ser Soberano e uma mente brilhante por trás de tudo que existe. A organização do Universo nos mostra que existe um ser Criador.





Tags: , ,


Sobre o autor



3 Resposta para A Bíblia e a ciência moderna

  1. Raul

    ELE NUNCA FALOU ESSA FRASE!
    “- A Física teórica está bem próxima de comprovar a existência de Deus.” (Stephen Hawking).

    Isso não existe em nenhum livro ou publicação dele.

    Mania evangelista de querer dar respaldo científico aos contos bíblicos da carochinha.

    • abibliaexplica

      Caro Raul,

      De fato você tem razão. Por isso essa frase será removida do post. É fato que a ciência não pode provar a existência de Deus, nem tão pouco sua inexistência. Respeito seu ponto de vista (tanto que publicamos seu comentário), mas sugiro que antes de considerar as histórias bíblicas como “contos da carochinha”, que busque conhecer mais a fundo as línguas originais em que a Bíblia foi escrita e também as regras da hermenêutica. Sugiro também que leia o livro “A linguagem de Deus” do ex diretor do projeto genoma Francis Collins. O grande cientista Richard Dawkins apesar de não crer na existência de Deus, afirmou a um grupo de alunos que existente cientistas respeitáveis que creem em Deus, assim como há sacerdotes que creem na Evolução. Logo a meu ver é possível conciliar ciência e a crença em um Deus. Já fui ateu, mas todas as minhas leituras sobre física, Geografia, Geologia, e Teoria da Evolução me levaram a crer que é improvável que o Universo e a vida tenha surgido de forma aleatória, mas esse é um assunto muito denso e complexo. Creio que as possibilidades não se esgotam em um simples post.

      Grato pelo feedback.

      Ats,
      Lino Junior – A Bíblia Explica.

  2. ELI

    Falaste em criação da água. Essa é uma pergunta que faço: Quando O DEUS a criou e onde ELE fala disso. Eu não me lembro de ter visto na Escritura isso, mas com certeza foi antes da criação da nossa galáxia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Back to Top ↑