Salvação de crianças




Salvação de crianças

Introdução:

Esse post tem por objetivo trazer uma reflexão sobre um tema complexo, delicado e contraditório. Afinal de contas, quando uma criança em seus primeiros anos de vida vem a falecer podemos afirmar categoricamente que esta foi condenada à morte eterna? Ou, de outro modo, podemos afirmar que toda criança que vem a falecer irá para o Céu? Será que o conceito de Salvação infantil tem sido examinado a luz da Palavra de Deus? Ao que percebo quando esse tema é abordado em nossas igrejas, sempre são realizadas análises muito superficiais, tomando-se versículos isolados das Escrituras para validar a ideia de que se uma criança pequena morre, fatalmente irá para o inferno. Será que isso é tão simples assim? O que a Bíblia declara sobre esse tema? Quais as bases Bíblicas para tais afirmações? Se você tem dúvidas ou inquietações sobre esse tema, buscaremos responder a todos esses questionamento a Luz das Sagradas Escrituras.

O conceito Bíblico de Salvação

Não temos por objetivo expor tudo sobre Doutrina da Salvação, mas antes de iniciar uma reflexão sobre a salvação infantil, é importante compreendermos o que a Palavra de Deus fala sobre esse conceito tão importante. A salvação é uma obra inteiramente independente de nossos esforços e méritos. Contudo, o homem tem certas condições a cumprir. Essas condições são a fé, o arrependimento e a confissão. Tanto a fé como o arrependimento vêm graciosamente de Deus, para que o homem não tenha do que gloriar-se (At 5.31; Rm 2.4; 12.3; 10.17; At 11.18; Fp 2.13; 2Tm 2.25; Ez 36.27 e Jr 31.3). No tocante à salvação, confissão significa confessar publicamente a Cristo como Salvador. Após crer com o coração (Rm 10.10a), é preciso confessar ou declarar sua fé em Cristo (Rm 10.9-10).

Em João 3:17-18 está escrito:

“- Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que condenasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é condenadomas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus.”

Em Romanos 2:4 também lemos:

“- Ou será que você despreza as riquezas da sua bondade, tolerância e paciência, não reconhecendo que a bondade de Deus o leva ao arrependimento?”

Concluímos que somos salvos pela Graça de Deus, tendo a fé como meio de salvação. Tudo isso não vem de nós mesmos, mas é um dom de Deus. Não vem de obras para que ninguém tenha do que se gloriar. (Efésios 2:8-9)

 Se uma criança morrer está condenada à morte eterna?

A Palavra do Senhor diz que Ele é o justo juiz (Salmos 7:11, Gênesis 18:25b). Ele é o Justo Juiz pelo fato de nunca cometer injustiças, isso porque como um Deus onisciente, tem todo o conhecimento da verdade e dos fatos. Apesar disso acredito que muitos cristãos se consideram juízes, pois afirmam categoricamente que uma criança que morre em seus primeiros anos de vida está condenada ao inferno. Talvez esses mesmos “juízes” caso tivessem presenciado a crucificação dos ladrões ao lado de Jesus teriam afirmado:

“- Com certeza esses criminosos foram para inferno”.

Todavia, um dos ladrões arrependeu-se dos seus pecados nos últimos instantes de sua vida e ouviu as doces palavras do Mestre:

“- Ainda hoje estarás comigo no paraíso”. (Lucas 23:43)

Acredito que todo extremo é perigoso, assim como generalizações também são um erro. Não há nenhuma base bíblica de que toda criança que morre irá para o inferno, assim como também não há base que prove que toda criança que morre irá para o céu. Porém há evidência bíblica de que crianças podem ser salvas. Vejamos alguns exemplos:

1º exemplo: A morte do filho de Davi

Davi ao se referir a seu filho pequeno que havia morrido disse:

“- Porém, agora que está morta, porque jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim.” (2 Samuel 12:23)

E agora, para onde Davi esperava ir? Para o céu, digo com toda segurança. Então o seu filhinho tem que estar lá, pois ele disse, “Eu irei a ela”. Não vemos Davi dizendo a mesma coisa a respeito de Absalão. Ele não se pôs de pé junto ao cadáver de Absalão e pronunciou “Eu irei a ele”, pois não tinha esperança para aquele filho rebelde. No caso da criancinha, Davi não chorou “quem me dera que eu morrera por ti.” como fez com Absalão. Não, ele pode deixar a alma desta criancinha partir, tendo ele perfeita confiança, pois ele pode dizer, “Eu irei a ela.”

2º exemplo: A morte do filho da Sunamita

Em 2 Reis 4 há um episódio muito interessante. O filho de uma Sunamita após ser acometido de uma forte dor de cabeça veio a falecer. Geazi servo do profeta Eliseu perguntou a essa Sunamita:

“- Vai bem contigo? Vai bem com teu marido? Vai bem com teu filho?” (2 Reis 4:26)

Ela estava abalada com a morte do filho, mas mesmo assim respondeu: “Vai bem”, talvez respondendo assim porque tinha uma fé que ele estava seguro debaixo dos cuidados de Deus, ele estava feliz à sombra das Suas asas.

3º exemplo: Crianças sacrificadas a Moloque

Há uma passagem em Ezequiel 16.21 onde Deus censura o Seu povo por dar as suas crianças a Moloque, fazendo-lhes passar pelo fogo, e Ele diz em referência a estes pequeninos:

“- E mataste a meus filhos, e os entregaste a elas para os fazerem passar pelo fogo.”

Esses pequeninos, que morreram nos braços ardentes de Moloque como criancinhas, eram filhos de Deus. Porventura esses inocentes não receberiam de Deus o descanso eterno, visto serem seus filhos?

Filhos de cristãos estão automaticamente salvos?

Algumas pessoas acreditam que se o filho de um cristão vier a morrer este está salvo pela justiça de seus pais. Geralmente o texto usado para validar essa afirmação é Êxodo 20:5-6 onde lemos:

“- Sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, na terceira e na quarta geração daqueles que me aborrecem, e uso misericórdia até mil gerações daqueles que me amam e guardam os meus mandamentos.”

Todavia esse texto não é base para afirmar que filhos de cristãos são salvos e filhos de não cristãos estão condenados. No primeiro capítulo de Deuteronômio, houve uma ameaça pronunciada sobre os filhos de Israel no deserto, que, com a exceção de Calebe e Josué, eles nunca veriam a terra prometida; contudo, é dito:

“- E vossas crianças, de quem dissestes: Por presa serão; e vossos filhos, que hoje não conhecem nem o bem nem o mal, eles ali entrarão, e a eles a darei, e eles a possuirão.”

Do mesmo modo como o pecado da geração no deserto não impediu a próxima geração de entrar na Canaã, assim o pecado de pais incrédulos não necessariamente será a ruína dos seus filhinhos que já morreram. Qualquer criança que seja salva deve sê-la com base na expiação de Cristo. A Bíblia nega que haja alguma outra base para a salvação. O fato de que são pequenos demais para ter consciência do pecado pode significar que nenhuma fé se exige destes. Sua mente não alcançou o estado no qual a crença deliberada na doutrina e o arrependimento da impiedade são significativos. Contudo, isto não significa que todos os que não podem exercer fé consciente são salvos.

Alguns cristãos ficam incomodados quando lhes é dito que alguns não precisariam exercer fé consciente; mas todos assumimos que o filho de Davi não exerceu a fé consciente ao ser salvo. Há uma forma coerente de explicar isso sem comprometer o Evangelho. Lembre-se de que, mesmo quando falamos de salvação pela fé, não estamos de fato nos referindo à fé como tal, mas a Jesus Cristo. A fé em si não salva ― só Cristo salva. Se alguém é salvo, isto se dá por Jesus Cristo.

Dessa forma, ao afirmar que as crianças poderiam ser salvos à parte da fé, mas não à parte de Cristo, o Evangelho não é comprometido. Cristo salva adultos em conjunção com uma fé consciente; mas Cristo salva crianças à parte de uma fé consciente. Não somos salvo por causa da fé, mas por causa de Cristo. Nossa fé é uma manifestação da salvação. Ela não é a causa da salvação, mas o efeito da salvação. Esperaríamos de uma pessoa que recebeu a salvação como criança, e não morreu, que manifestasse essa fé ao crescer e estivesse ciente do que é certo e errado, do pecado e do arrependimento, e assim por diante.

Conclusão:

Se alguém nos perguntasse hoje: “- Crianças que morrem irão direto para o inferno?”, talvez a resposta mais coerente seria: “- Não há como saber”. Isso porque só o nosso Deus que sonda os corações e mentes e é o justo juiz pode salvar ou condenar. Contudo façamos a nossa parte e obedeçamos ao chamado do Senhor Jesus, que ao se referir as crianças de forma afetuosa diz em Lucas 18:16:

“- Deixai vir a mim os pequeninos, e não os impeçais, porque dos tais é o reino de Deus”

Que a graça e o amor do Pai seja com todos. Amém!





Tags:


Sobre o autor



7 Resposta para Salvação de crianças

  1. Armindo

    falou tudo bruno

  2. renaldo vasco

    essa pergunta quebra a espinha dorsal do calvinismo!se a criancinha se salva,toda ela, antes dos 7 anos,idade aproximada da razão! então porque os calvinistas afirmam a eleição das almas salvas????então essa criancinha que lhe dada nova chance a viver se continuar viva e virar incredula,vai se perder?????ai a complexidade desse assunto!acho que o calvinismo não é biblico, e sim o arminianismo!a salvação e conseguida e não eleita sem razões!

  3. Paulo Silva

    O Deus que é explicado neste espaço, parece capaz de lançar crianças no inferno. E dizem – nos que um Deus assim é um deus bom. Fará se não fosse….

  4. Sávio silas

    As pessoas acham que são elas que salvam os homens, como saber se um homem foi salvo por Deus? Pelo batismo com água, teria a água algum poder de salvação, somente Deus salva, não salva por meio das obras do homem, porque o pecado é inerente ao ser humano, ninguém pode por si mesmo não pecar, somente Deus tem esse poder, por isso Jesus, filho de Deus,, da mesma essência e natureza do pai, este não pecou, porque do pai herdou todo poder sobre o pecado, e sobre a morte, não é porque ele se fez homem que deixou de ser Deus, assim o pecado não tinha o poder sobre ele, e mesmo assim ele cumpriu toda a lei perfeitamente. Nada que façamos poderá nos livrar de nossos pecados, mas se Deus o escolheu para pertencer ao seu reino, então certamente, o sacrifício de jesus, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo e do homem, o salvará. a lei de Deus foi feita para os homens, por isso um animal que mata outro não comete pecado porque não quebrou a lei, já que a lei é para os homens, pecamos de diversas formas, por ações, palavras e pensamentos, o homem é pecador porque o seu coração é corrupto, e deseja o mal, assim ele quebra a lei e peca contra Deus, a criança é humana, todo homem necessita da salvação de Deus, se ela nasce morta não comete pecado nenhum, então seria salvo? Então Jesus não morreu por essa criança, certo? Já que não tinha pecado nenhum para ser lavado, nao, ninguém vai ao pai a não ser por mim.

  5. carlos regis dos santos franques

    creio que uma criança quando morre vai direto para o céu,uma vez que a salvação é por meio da fé em Jesus Cristo mediante sua morte na cruz do calvário, uma criança pequena não tem condições de ter fé suficiente para crer e tudo que faz é sem discernir o bem e o mal,ou seja ,sem maldade em seu coração. fiquem na paz.

  6. JOÃO PAULO

    Depois trouxeram crianças a Jesus, para que lhes impusesse as mãos e orasse por elas. Mas os discípulos os repreendiam. Então disse Jesus: “Deixem vir a mim as crianças e não as impeçam; pois o Reino dos céus pertence aos que são semelhantes a elas”. Depois de lhes impor as mãos, partiu dali. (Mateus 19:13-15)

    O reino dos céus pertencem a pessoas como elas, ou seja, puras de coração. A salvação não é pelas obras e sim pela graça mediante a fé. Se é pela graça, então Cristo não morreu em vão, ele morreu não só pelos adultos, mas pelas crianças também. Enfim, se você disser a uma criança que existe Papai Noel (um ser mítico) ela acreditará em você porque ele é pura de coração. Portanto, ela, a criança, certamente crer em Jesus Cristo (um ser verdadeiro e real) mesmo que você nunca tenha pregado para ela. Toda criança já nasce pecadora, como todos nós, por causa do pecado de Adão. Ocorre que não são as obras boas que farão eu, você, um deficiente mental, ou uma criança serem salvas…mas sim a fé em Jesus Cristo e na sua morte por nossos pecados…Claro que a fé sem a obra é morta como disse Tiago, mas o que ele quis dizer é que se você tem fé, a obra, ou o fruto do espírito estará presente nas suas obras de amor, misericórdia, compaixão e etc…A paz do nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos amém!

  7. Bruno

    Você está plagiando Charles Spurgeon!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Back to Top ↑