Teologia? Deus me livre!




Teologia? Deus me livre!

Introdução

É comum conversar com algumas pessoas, principalmente alguns líderes e ouvir destes sua aversão por Teologia. Gente sincera em sua fé, que gosta de uma boa pregação, que passa bons momentos de leitura diante da Bíblia, e tem sede de conhecer os pormenores descritos naqueles escritos. Pessoas que amam quando alguém detalha algo da época, que explica o porque do comportamento de determinado personagem , assim como guarda cada detalhe linguístico que lhe revelam um sentido mais profundo do que o captado nas traduções ainda não revistas.

Mas afinal de contas do que trata a Teologia? Por que alguns cristãos rejeitam qualquer relação com essa área de estudo? Será que esse tipo de posição extrema contra a Teologia é o melhor caminho, ou pode nos levar a uma alienação em relação ao conhecimento da Palavra de Deus?

A Teologia

A Teologia (do grego θεóς, transl. theos = “divindade” + λóγος, logos = “palavra”, por extensão, “estudo, análise, consideração, discurso sobre alguma coisa ou algo”), é o estudo racional e sistemático acerca da divindade (sua essência, existência e atributos). Pode também referir-se a uma doutrina ou sistema particular de crenças religiosas – tal como a teologia judaica, a teologia cristã, a teologia islâmica e assim por diante. No sentido literal, é o estudo sobre Deus. Como toda ciência, tem um objeto de estudo: Deus. Como não é possível estudar diretamente um objeto que não vemos e não tocamos, estuda-se Deus a partir da sua revelação, ou, em termos seculares, conforme suas representações nas variadas culturas.

“Amo estudar a Palavra de Deus, mas não quero saber de Teologia…”

Já ouvi isso de muitos cristãos. Todavia parece-me uma afirmação contraditória, já que a Teologia é o estudo sobre Deus. Cito aqui um exemplo:

Em Salmos 23:1 lemos:

“- O SENHOR é o meu pastor, nada me faltará.”

Porém a tradução correta desse mesmo texto é:

“- O Senhor é meu pastor, de nada sinto falta…”

Ou seja, se tenho Deus como liderança em minha alma, como poderia sentir falta de algo, antes que ele me supra? No sentido mais conhecido, o “nada me faltará” implica que jamais existirão carências ou dramas em minha vida, o que contrariaria a declaração de Jesus, que diz que “neste mundo tereis aflições…”

Se você se sentiu edificado com o exemplo acima, tenho uma noticia “terrível”:

Você gosta de Teologia. Talvez não goste dos teólogos. Seria mais compreensível, Jesus não gostava de alguns também. Não estou dizendo que o homem que se tornou mestre nisto seja mal, mas o esteriótipo de pessoa inquestionável é o que se abomina. Quem nunca se irritou com alguém que tem todas as respostas sobre assuntos que não tem definição? Discussões sobre Calvinistas e Arminianistas, Pré, meso e pós milenistas, pentecostais e históricos, Se estaremos em sono, aniquilacionismo ou andando pelo Céu, e tantas outras coisas…

Rejeitar a Teologia é o melhor caminho?

Alguns líderes além de rejeitarem o contato com a Teologia, proíbem suas ovelhas de terem contato com a esta sob a alegação de que esta geraria “frieza espiritual”. Que tornaria seus liderados um bando de fariseus, legalistas e questionadores. Esse tipo de postura pode ser um tipo de cuidado ou medo dos líderes, mas a meu ver nada mais é do que um abuso de poder e uma forma de fazer com que suas ovelhas sigam cegamente a doutrina, visão ou ideologia abraçada pela igreja local. Pessoas questionadoras não são bem vindas por alguns líderes. Porém vejamos o que está escrito em Atos 17:10-11:

“- E logo os irmãos enviaram de noite Paulo e Silas a Beréia; e eles, chegando lá, foram à sinagoga dos judeus. Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.”

Os cristãos da igreja de Beréia se vivessem em nossos dias seria taxados por alguns pastores de: críticos, fariseus, legalistas, etc. Porém a Palavra de Deus declara que eles foram considerados nobres pois acolheram a Palavra do Senhor, todavia examinavam se o que Paulo e Silas pregavam estava alinhado com a Escritura.

Entendamos uma coisa meus queridos irmãos: O problema não está na Teologia, mas sim em quem a utiliza. Culpar a Teologia pela frieza espiritual e legalismo de alguns cristãos é a mesma coisa que querer culpar uma faca por ter tirado a vida de uma pessoa. Se utilizada de forma séria e zelosa a Teologia nos levará a um maior conhecimento sobre Deus, Sua Palavra, Seus atributos, Seu amor, Sua forma de agir e se relacionar conosco. Buscar experiência com Deus sem uma compreensão Bíblica sobre esse Ser, pode nos levar a mistificar nossa fé e estar expostos a qualquer vento de doutrina. Pela falta de conhecimento Bíblico muitos cristãos tem sido levados a:

– Cantar louvores que nada tem a ver com a verdade Bíblica;
– Acreditar em aberrações doutrinárias;
– Valorizar mais a experiência em detrimento do conhecimento de Deus;

O resultado final disso tudo é que essa geração de novos convertidos cada vez mais cedo tem sido doutrinada segundo a visão de uma igreja local, porém sem uma base Bíblica sólida. A igreja passa a agir como uma “linha de produção” de uma fábrica, onde o novo convertido após receber a Cristo, logo passa por um discipulado superficial e precocemente é introduzido na “Obra de Deus”. Crianças na fé, sem experiências com Deus, Sem conhecimento da Palavra e das verdades fundamentais da fé cristã são enviadas a campo para “Cumprir o: Ide”. Comparo essa geração ao texto Marcos 4:16-17:

“- E da mesma forma os que recebem a semente sobre pedregais; os quais, ouvindo a palavra, logo com prazer a recebem; Mas não têm raiz em si mesmos, antes são temporãos; depois, sobrevindo tribulação ou perseguição, por causa da palavra, logo se escandalizam.”

Jesus dedicou 30 anos de sua vida a preparar-se, e em 3 anos realizar sua grande obra. Os apóstolos conviveram com Jesus durante esses 3 anos, nos quais fizeram obras, mas seu amadurecimento como discípulos se deu após esse período com o Mestre. Paulo após sua experiência de conversão isolou-se (para dedicar-se ao estudo e ser discipulado segundo alguns historiadores) e retornou a Jerusalém após 14 anos. Ou seja, esses exemplos mostram que o caminho do discipulado bíblico nos levará ao amadurecimento enquanto cristãos.

Para concluir esse pensamento cito o pastor Ariovaldo Ramos que declara:

“- Por que a pressão pelo crescimento? Jesus Cristo não nos ordenou a sermos uma Igreja que cresce, mas, uma Igreja que aparece: “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras, e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus. “(Mt 5.16). Vamos anunciar com nossa vida, serviço e palavras “todo o Evangelho ao homem… a todos os homens”. Deixemos o crescimento para o Espírito Santo que “acrescenta dia a dia os que haverão de ser salvos”, sem adulterar a mensagem.”

Que a paz de Cristo seja com todos. Amém!





Tags:


Sobre o autor



2 Resposta para Teologia? Deus me livre!

  1. Davik

    Examinai as escrituras porque são elas que de mim testificam e buscais ter nela a vida eterna. (palavras de Jesus)
    Parabéns pelo texto. Muitos não querem examinar ou não querem saber de estudo. Querem ser supérfluos.
    Se o Espirito Santo ensina todas as coisas, logo não havia necessidade de Deus mandar Moisés escrever as lei, e nem tão pouco havia necessidade de Jesus mandar examinar as escrituras. Pegar versículos ou partes isoladamente é bem próprio de quem é supérfluo.

  2. leandro

    jesus falou em joão 14 ver 26 que o Espirito santo ensina todas as coisas…quem conhece o espirito santo da verdade não precisa de te tego

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Back to Top ↑